É necessário tomar PrEP diariamente? PrEP intermitente

As orientações dos Estados Unidos da América e europeias para a toma oral da PrEP com Truvada© são para uma dose diária.

Porém, na Europa, um ensaio clínico demonstrou fortes evidências de que a PrEP pode ser tomada apenas em momentos de risco e manter a sua eficácia, em oposição à toma diária.

Isto aplica-se, pelo menos, aos homens que têm sexo com homens: não sabemos se a PrEP intermitente resulta em mulheres (ou entre homens heterossexuais) e estas devem tomar PrEP diariamente até existir um estudo sobre PrEP intermitente que as inclua.

O ensaio clínico franco canadiano Ipergay relatou uma eficácia de 86% para a PrEP intermitente. O protocolo do Ipergay foi o seguinte:

  • Tomar DOIS comprimidos de Truvada© entre 24 a 2 horas antes de uma exposição à infeção pelo VIH;
  • Se de facto se tiver relações sexuais que envolvam exposição à infeção pelo VIH, deve-se então tomar um outro comprimido entre 2 a 24 horas após a relação sexual e mais um comprimido no dia seguinte (isto é, entre 26 a 50 horas após a relação sexual).

Este diagrama (em francês) ilustra-o:

www.seronet.info/sites/default/files/shared/admin/images/ipergay1.png

  • Se, no entanto, existirem novamente relações sexuais com risco de exposição à infeção pelo VIH nos dois dias após a primeira relação sexual, deve-se continuar a tomar um comprimido de Truvada© por dia até se alcançarem dois dias após a última exposição. Só aí se deve interromper a toma. Aqui está um exemplo que o ilustra em três episódios sexuais:

www.seronet.info/sites/default/files/shared/admin/images/ipergay2.png

Este protocolo pode parecer difícil de seguir, mas é claramente eficaz.

Em média, a toma de Truvada® no ensaio IPERGAY era de cerca de 50% daquilo que seria com a adesão à PrEP em toma diária. Uma advertência sobre a toma intermitente de PrEP é de que muitos dos participantes do Ipergay tinham relações sexuais com tanta frequência que tomavam a profilaxia praticamente todos os dias.

Mas não foi observado um único padrão de adesão consistente. Enquanto alguns participantes tomavam a profilaxia praticamente todos os dias, outros raramente a tomavam. Uma análise recente demonstrou que o regime de PrEP do Ipergay foi tão eficaz entre participantes que tinham menos relações sexuais que a média como foi com os outros. Muitas pessoas interromperam a toma de PrEP durante vários meses para depois a reiniciarem. Estavam a adaptar a sua toma de acordo com a sua perceção de necessidade – e parecem tê-lo feito com bastante precisão.

Este diagrama apresenta de forma detalhada a adesão dos participantes no ensaio Ipergay.

Em França, os homens gay podem escolher entre a toma diária da PrEP ou a toma “quando necessário”, um outro termo para PrEP intermitente. Até ao momento, cerca de dois terços optaram pela toma intermitente. Este esquema de toma também foi disponibilizado nos estudos de implementação AMPrEP e Be PrEPared, na Holanda e na Bélgica respetivamente, embora só fosse tomada por cerca de um terço dos participantes. Quando o estudo de grandes dimensões IMPACT tiver início em Inglaterra, os participantes também poderão escolher entre os dois esquemas de toma.

As evidências anteriores já tinham demonstrado que a toma intermitente de PrEP poderia resultar. No estudo iPrEx, os investigadores observaram que quatro ou mais doses semanais de PrEP aparentavam ser suficientes para oferecer proteção.

O ADAPT, um outro estudo de grandes dimensões, comparou a performance de vários regimes de PrEP entre homens e mulheres. Comparou a toma diária de PrEP com a toma ocasional e com a toma intermitente composta por um comprimido antes e um comprimido depois da exposição por via sexual. O ADAPT não procurou analisar se todos os regimes reduziam o risco de infeção pelo VIH, mas concluiu que a toma diária de PrEP é mais fácil que a intermitente.